DSC_0076_edited.jpg

Fissura Anal

Logo site.png

O que é a fissura anal?

A fissura anal é uma ruptura no revestimento do ânus, o orifício por onde são eliminadas as fezes durante a evacuação. As fissuras anais provocam dor, especialmente durante a evacuação.

Existe um músculo que prende o ânus mantendo-o fechado. Este músculo é chamado de “esfíncter anal”. O esfíncter fica retesado quando há lesões no ânus. Nas pessoas com fissuras anais o esfíncter tem espasmos, o que pode piorar as lesões.

Qual a causa da fissura anal?

A fissura anal é causada, na maior parte das vezes, pela evacuação de fezes de consistência seca e sólidas.

Quais são os sintomas da fissura anal?

A maioria das pessoas com fissura anal sente, durante a evacuação, uma dor que lembra queimadura ou corte. Esta dor pode durar várias horas. Algumas pessoas também apresentam um pequeno sangramento durante a evacuação. É possível ver sangue vermelho vivo no papel higiênico ou na superfície das fezes. Algumas pessoas com fissura anal também têm sensação de coceira ou irritação ao redor do ânus.

Deve-se consultar o médico ou enfermeira?

Sim. O médico ou enfermeira devem ser consultados caso se note sangramentos durante a evacuação.

Existe algum exame que precise ser feito?

O médico ou enfermeira podem verificar a presença de fissura anal afastando as nádegas e examinando o ânus.

Caso tenha havido sangramento, o médico ou enfermeira poderá solicitar que seja realizado um exame de “sigmoidoscopia”, ou um exame similar chamado “colonoscopia”. Nestes exames, um tubo fino e flexível é inserido pelo ânus até o intestino grosso. O tubo é equipado com uma câmera para que o médico possa visualizar o interior do intestino grosso e verificar as causas do sangramento.

O que se pode fazer por conta própria em relação à fissura anal?

  • Ingerir mais fibras – Uma alimentação rica em fibras ajuda a manter as fezes menos rígidas. As fibras estão presentes na maioria das frutas, vegetais, e grãos integrais. Os médicos sugerem que se coma de 20 a 35 gramas de fibra por dia. Os rótulos dos alimentos embalados podem informar quanto de fibra há em cada porção.

  • Usar um emoliente fecal – Emolientes (amolecedores) de fezes são medicamentos que ajudam na evacuação das fezes, e podem ser adquiridos sem receita médica. Um emoliente fecal bastante utilizado é o docusato.

  • Coloque as nádegas de molho em um banho de assento – O banho de assento consiste em colocar as nádegas de molho numa bacia com cerca de 5 cm de água morna. Repita o procedimento 2 ou 3 vezes ao dia por 10 a 15 minutos. Não use sabão, banho de bolhas, ou qualquer outro produto na água. Os banhos de assento são bons para aliviar a dor e relaxar o esfíncter.

Qual é o tratamento para as fissuras anais?

  • O tratamento das fissuras anais envolve passos similares aos procedimentos que podem ser executados por conta própria.

  • Durante o primeiro mês de tratamento, o médico recomenda:

  • Tomar suplementos de fibras, como:

  • Psílio (exemplo de nome comercial: Metamucil®)

  • Metilcelulose (exemplo de nome comercial: Citrucel®)

  • Policarbofil Cálcico (exemplo de nome comercial: FiberCon®)

  • Dextrina de trigo (exemplo de nome comercial: Benefiber®)

  • Tomar um emoliente fecal, como o docusate (exemplo de nome comercial: Colace®).

  • Usar creme de nitroglicerina, um creme comprado com receita médica que traz alívio e auxilia a cicatrização do ânus.

  • Tomar banhos de assento (veja a descrição acima).

  • Se estas medidas não surtirem efeito, o médico poderá tentar outros tratamentos, como por exemplo:

  • Toxina Botulínica (“BoTox”) – Consiste em injeção que pode ajudar o esfíncter anal a relaxar e cicatrizar. O procedimento pode ajudar, mas pode também provocar problemas no curto prazo como vazamento de gases ou fezes.

  • Cirurgia – Pela cirurgia o médico realiza um pequeno corte no esfíncter para ajudar o músculo a relaxar. Este tipo de cirurgia é eficaz para a maior parte dos pacientes, mas são normalmente oferecidas apenas para os pacientes que não apresentam melhoras com os outros tratamentos. A cirurgia pode provocar problemas permanentes de vazamento de gases ou fezes.